CenterVet
Clínica Médica
Ataques Caninos
 

Acidentes com cachorros são um problema sério. No ano passado foram registrados mais de 400 mil casos de mordidas no Brasil, mas muitos poderiam ser evitados se houvesse maior conscientização sobre o comportamento desses cidadãos de quatro patas. As situações que envolvem as mordidas são muitas.

Os cães geralmente mordem quando:
• sentem-se ameaçados ou estão com medo;
• estão protegendo seu território, comida, brinquedos ou filhotes;
• algo se move rápido (instinto predatório);
• estão irritados ou com dor;
• sua posição hierárquica está sendo ameaçada.

E será que somente os cães de guarda mordem? A resposta é não. Todo e qualquer cão pode se tornar agressivo, o que influencia esse comportamento são quatro fatores: raça, temperamento hereditário, educação e habitat.

As raças descritas como cães de guarda abrangem, em sua maioria, cães agressivos com pessoas estranhas. Mas quem já não se deparou com um Rottweiler e um Pit Bull brincalhões, ou um Poodle e um Cocker que atacou o dono? Para determinar a personalidade de um cão devemos levar em conta não só a raça, mas também seu perfil psicológico. O que ele herda como raça são características padronizadas há séculos e que cada raça conserva até hoje. Mas é a hereditariedade, a educação e o habitat que são vitais na formação psicológica do cão.

O pedigree é a certidão de nascimento de um cão, através dele conhecemos pais, avós e tataravôs de um filhote e podemos selecionar cães com qualidades essenciais, como inteligência, fidelidade, afetuosidade, agilidade e boa saúde, as quais serão herdadas por seus descendentes.

Além da garantia do pedigree, é imprescindível saber educar um filhote para que ele desenvolva e exteriorize o seu melhor, suas qualidades. Educar um cão é como educar um filho. É preciso respeitá-lo e amá-lo, mas também exigir respeito e impor limites. Entre tantas dicas a mais sábia é ter bom senso. A educação deve estar associada ao habitat, onde e como o animal irá viver. Um animal feliz está com meio caminho andado para nunca se tornar agressivo. Cães com baixo potencial para agressividade podem se tornar feras devido a maus tratos. O que um cão precisa para ser feliz é carinho, boa alimentação, espaço compatível a seu tamanho, atividades compatíveis a sua energia.

Algumas atitudes, ao contrário do que todos pensam, não são benéficas ao cão e prejudicam sua formação e seu caráter. A atenção exagerada é um exemplo. Mimos excessivos tornam o cão dependente, de forma que ele não encontra outra forma de ser feliz ao não ser grudado ao dono. Ausência de limite também é prejudicial, o animal poderá vir a ser agressivo simplesmente porque foi contrariado e a agressão torna-se cada vez mais comum e perigosa. É preciso respeitar o cão, dando -lhe todas as condições para ser feliz, mas ele precisa aprender o que pode e o que não pode fazer. O filhote testará o limite de seu dono e este deve repreendê-lo, principalmente quando tentar morder ou rosnar. Deve-se acostumá-lo a aceitar procedimentos de rotina, como banho, escovação, colocação de guia, andar de carro, respeito às visitas etc. Deve-se deixar claro que é o dono quem manda.

Seja firme em exigir obediência, mas não esqueça de propiciar felicidade ao seu filhote. Um cão disciplinado, feliz e saudável não tem razões para morder ninguém.

As situações que envolvem as mordidas são muitas, mas algumas medidas podem evitá-las. O local do corpo mais atingido pelas mordidas é o rosto (cerca de 70% dos casos). Além da pele da região ser mais frágil, é o local em que as cicatrizes mais incomodam. Portanto, a primeira dica é manter o rosto a uma distância segura de uma eventual mordida. Aquele abraço carinhoso, fuça a fuça, e beijos no "rosto" do cachorro devem ser evitados sempre que você não tiver certeza de que o cão é extremamente dócil. Toda vez em que você for retirar seu cão ranzinza do sofá, procure proteger o rosto, virando-o ou mantendo-o distante do cão, pois grande parte das mordidas ocorre por conta de cães dominantes quando contrariados.

Fixar o olhar diretamente no olho do cão também pode causar acidentes. Para os cães, isso pode ser considerado uma situação de confronto. Até conhecer bem o animal, ou ter certeza sobre a docilidade dele, evite confrontá-lo. Além de não olhar diretamente para os olhos dele, não o acue em algum canto e também não se curve sobre ele. Ficar ligeiramente de lado é menos ameaçador para o cão do que se você ficar de frente para ele. Falar em tom neutro e evitar movimentos bruscos também são artifícios válidos.

CONFIANÇA.
Como nós humanos, os cães também muitas vezes exigem preliminares antes de se entregar totalmente ou de confiar em nossos gestos e movimentos. Esse "aquecimento" da relação faz o cão se sentir mais confiante e menos ameaçado.
Pergunte para o proprietário se o cão é manso, se você pode fazer carinho nele, etc. Além de você mostrar educação, alguns cães, percebendo que seu proprietário não se assustou com a sua presença, ficam mais confiantes. Muitos animais reagem de acordo com a reação do proprietário, se ele agir de maneira natural e calma, passará mais confiança para o cão.
Deixe o dono do cão se aproximar de você. Caso você queira chegar perto do animal, faça-o sem movimentos bruscos. Deixe o cão cheirar você antes de começar a interação. Continue falando com o proprietário, como se não estivesse dando muita importância para o bichinho. Ofereça a mão para o cão cheirar, deixando o braço relaxado e o punho fechado, já que os cães podem morder os dedos.
Se você sentir que o cão está seguro e relaxado, escorregue a mesma mão que ele estiver cheirando para o peito do cachorro e comece a acariciá-lo. O peito e a parte debaixo do pescoço são áreas em que o cão se sente menos ameaçado do que quando lhe fazem carinho na cabeça ou na nuca. Caso o cão ainda esteja com medo, procure não olhar ou falar diretamente com ele.
Na maioria dos casos, nesse instante os cães já se mostram bastante receptivos, mas, se você ainda não estiver totalmente seguro, retire a mão vagarosamente. Muitas mordidas ocorrem quando a pessoa está retirando a mão, principalmente quando fazem um movimento brusco.
Só para lembrar: os cachorros geralmente mordem quando se sentem ameaçados ou quando estão com medo; estão protegendo seu território, comida, brinquedos ou filhotes; algo se move rápido e atiça seu instinto predatório; estão irritados ou com dor ou sua posição hierárquica está sendo ameaçada. Várias atitudes podem evitar o ataque, como fazer a aproximação aos poucos, ao lado do dono, e nunca aproximar o rosto logo no primeiro contato com o animal.
Como muitas pessoas já devem ter percebido, alguns cães só atacam as visitas quando elas estão indo embora. Portanto, cuidado com os abraços de despedida, beijinhos e tchaus. Obviamente, a melhor solução nesses casos é pedir para o proprietário que prenda o animal ou avise-o de que você não faz a menor questão de se despedir... Caso o cão já tenha começado a latir e esteja ameaçando morder, finja que você mudou de idéia e vai ficar mais algum tempinho. Nesses casos, o melhor é prender o cão.

MAS O QUE FAZER QUANDO O ATAQUE PARECE INEVITÁVEL?
Em muitos casos, a única solução é rezar. Na maioria das vezes, no entanto, é possível tentar alguma coisa. Cães pequenos geralmente podem ficar entretidos por alguns segundos mordendo o sapato ou o tênis. Sem movimentos ameaçadores, proteja-se levantando o pé e impedindo-o de chegar perto de você. Muitos cães ficam mordendo a sola do sapato e o tênis até desistirem do ataque ou o proprietário conseguir evitá-lo. Não grite e nem dê bronca no cão. Cães maiores podem ser "distraídos" com bolsas ou jaquetas.
Um consolo para essa hora difícil: muitos cães cessam o ataque após uma ou duas mordidas, desde que a vítima não grite ou não esperneie, o que é difícil de não acontecer perante a situação, mas tente manter a calma. Caso você caia no chão, procure proteger o rosto e a nuca. Gritar e fazer movimentos bruscos costuma piorar a situação. Só saia correndo se você tiver certeza de que vai conseguir escapar.

É TUDO INSTINTO
Lembre-se que um cão, mesmo pequeno, é muito mais rápido do que uma pessoa. O simples fato de correr perto de um cão já pode despertar nele instintos agressivos ligados à caça e proteção. Sempre que possível, procure se afastar do cão ou do que ele estiver tentando proteger de maneira calma e o menos ameaçadora possível. Não vire as costas para o animal, muitos cães esperam exatamente esse momento para atacar. Nunca devemos confrontar o cão para evitar um ataque. Confrontar é criar uma situação muito arriscada, pois existe sempre uma possibilidade do cão "pagar para ver". Ameaçar com uma vassoura, um pedaço de pau ou uma pedra, fingindo que vai atacar e chegando mesmo a correr atrás do cão, é também um procedimento muito arriscado e pode comprometer o comportamento do cachorro, pois ele passa a desconfiar ainda mais de determinadas atitudes. O mesmo cão que pode "afinar" em um território fora de sua propriedade, por exemplo, pode atacar ferozmente seu perseguidor assim que ele pisar em seu território.

Nenhuma dessas explicações podem ou devem ser utilizadas para justificar a ocorrência de um problema desse tipo ou tirar a culpa do proprietário do cão. O dono deve ser integralmente responsável pelo comportamento de seu animal e deve prevenir e evitar qualquer ataque. Muitos ataques acontecem pela negligência do proprietário, falta de socialização ou até mesmo por ausência de adestramento adequado.

A passagem de um animal de estimação pela vida de um ser humano marca profundamente. Pode ser uma linda história de amor, desde que respeitados certos aspectos, ou então um filme de terror.

O ÚNICO ANIMAL QUE MATA POR PRAZER, ATACA SEM MOTIVO E TEM CONSCIÊNCIA DISTO É O HOMEM!

 


 

 

 
 
 
 
Home   |   Ver Animação   |   Dog Vip   |   Classificão   |   Quem Somos   |   Contatos   |   Mapa do Site
 
 
 
Copyright © 2015 CenterVet. All rights reserved.